terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

Poema de Amor

Poema de Amor

Ana,
Quero escrever um poema
Falando de dramas e de amor.
O mundo segue ladeira abaixo
E razões derretidas pesam feito chumbo.
Alguém anda dizendo que a razão já era
E que as palavras já nascem torpes,
Enquanto o mundo se desfaz em fiapos de nada.
Os poetas andariam mudos e doentes
Tal qual criancinhas no útero
Dessa pátria adoecida.
Mas eu ainda quero o belo!
Mais que nunca, agora, eu quero o belo.
Que seja belo o meu poema
Que fale de amor, o amor que salva
O amor gigante, que dá leite aos bebês famintos,
Pão de queijo, beijo e saúde aos miseráveis.
O amor que me reconforta agora
Nesse longo caminho de minha vida.
O amor que me faz crer na vida
E lamentar os que jogam a razão no lixo
Vendo-os cair no fosso da passado.
Quero que seja belo, que seja belo
Que seja verdadeiro o meu poema
Que ilumine os bons caminhos
Já que a balbúrdia vem dos que se acham mortos
E o que lhes resta é assustar os vivos.
As palavras desdenham dessa morte anunciada!
Que seja belo o meu poema
Que fale de amor, o amor que salva,
O amor que me reconforta agora
Nesse longo caminho de minha vida.
O poema vive, revive, viverá.
Será justo, verdadeiro
E envolverá o mundo com sua fé, sua alegria
Acima do manto triste da agonia.
jba (improviso FB de 01Fev2016)

Um comentário: